25 janeiro, 2010

Grêmio estudantil

Imagine uma escola em que os alunos participassem, junto a direção e professores, ativamente dos interesses da escola, promovendo campeonatos, rifas, concursos de redação e festas nos finais de semana a fim de acumular dinheiro para ser usado na compra de lixeiras para as salas e de material destinado à produção do jornal da escola, para alugar um ônibus que leve a um passeio em centros históricos e culturais da cidade, e para o lazer estudantil. Além de acumular dinheiro para fins benéficos à escola, esses alunos também participam não só de eventos realizados por eles mesmos, mas também, do próprio controle da escola por intermédio de seus projetos, sugestões e críticas; também estão presentes na criação de regras, como: o uso do cartão de autorização para se retirar da sala em período de aula, incrementar o cargo de monitor de corredor responsável por manter a ordem quando em intervalo, o uso de carteirinhas para o acesso a escola e o implante de armários escolares, com o propósito de reduzir o incômodo causado pelo peso dos livros didáticos. Além disso, esses alunos têm um maior poder de expressão e de participação nos assuntos que dizem respeito ao espaço escolar. São ouvidos pela direção, e têm uma grande importância no controle da escola.

Enfim, a escola que acabou de ser retratada no parágrafo acima parece pertencer à uma realidade bem distante para quem é aluno da escola D.Helena Guilhon. Pois se você estuda no “Helena”, sabe muito bem que os alunos são os últimos a serem ouvidos, isso quando são ouvidos. Projetos, eventos, práticas esportivas como os jogos estudantis, são produzidos, quase unicamente, pela diretoria; o aluno tem participação precária no planejamento desses projetos. Tudo o que fazem é apenas participar do evento já realizado. Mas será que esses eventos realizados pela diretoria atendem os desejos e necessidades dos alunos? E se esses planejamentos possuíssem “aquele toque” que só o corpo estudantil sabe dar, não seriam eventos muito melhores, já que os alunos com a concepção de que os eventos seriam realizados tendo como base eles mesmos, se esforçariam mais que os funcionários, e mostrariam um engajamento com um melhor desempenho na realização dos eventos?

Mas para mudar esse quadro e tornar a escola D.Helena Guilhon mais semelhante a escola retratada no primeiro parágrafo, primeiramente temos que analisar o fator que difere as duas escolas .

Observamos que na escola retratada no primeiro parágrafo, os alunos têm um grande índice de participação nos assuntos da escola, realizam projetos, festas, e acumulam dinheiro para ser usado em seus fins. Participam ativamente em harmonia com a diretoria, coordenadores e professores. Já na segunda escola retratada, o “Helena Guilhon”, é inexistente essa participação dos alunos nos projetos, planejamentos e eventos da escola. Não há participação do corpo estudantil, esta é restrita aos diretores, coordenadores e professores, únicos que possuem poder elevado de expressão.

Ou seja, a grande diferença entre as duas escolas está na participação do corpo estudantil no interesse escolar. O que automaticamente nos lança a seguinte pergunta: Como aumentar a participação dos alunos da escola D.Helena Guilhon nos projetos e planos da escola?

A fim de responder essa indagação, será feita uma outra analise.

Sabe-se que para se dirigir uma empresa, instituição, escola ou qualquer outra coisa, é necessária capacidade e organização. Do mesmo modo que sabe-se que um cirurgião capacitado em plena realização de uma cirurgia, se encontrando em completa desordem, não encontrando o bisturi, a tesoura masson de 27cm e os restantes dos instrumentos cirúrgicos para efetuar a cirurgia com êxito, perderia preciosos minutos, cujo provavelmente causariam a morte de seu paciente. Ou então o contrário, um cirurgião que mantém sua sala de cirurgia na mais elevada ordem, portando conhecimento da localidade de cada instrumento de seu oficio, mas que não tendo a capacidade suficiente para realizar uma cirurgia com êxito, igualmente ao cirurgião capacitado, entretanto desordeiro, causaria a morte de seu paciente.

Constata-se que unindo ordem e capacidade se obtém sucesso em seja lá qual for a empreitada. Mas com o numero demasiado de alunos que se encontram na rede escolar, fica deveras difícil haver organização entre eles, ainda mais na realização de projetos e planos que seriam feitos para a escola se, realmente desejarmos, seguir os parâmetros da escola retratada no primeiro parágrafo. Sem contar na capacidade, pois entre tantos alunos, sempre existirão aqueles que a tem presente e aqueles que a tem ausente. Então seria bastante difícil o corpo estudantil possuir ordem e capacidade perante a seu numero demasiado de integrantes comparado ao numero dos integrantes da diretoria e dos demais, para trabalharem juntos em plena harmonia? Sim, por isso teríamos que atrelar capacidade e organização no corpo estudantil.

Mas como?

De um modo simples, que durante muito tempo e em várias escolas vem sendo feito. Simplesmente com a implantação de um “Grêmio Estudantil”, cujo seria representado por apenas um grupo de alunos, que serão eleitos por votação da massa.

E o que é um “Grêmio Estudantil”?

O Grêmio é a organização que representa os interesses dos estudantes na escola. Ele permite que os alunos discutam, criem e fortaleçam inúmeras possibilidades de ação tanto no próprio ambiente escolar como na comunidade. O Grêmio é também um importante espaço de aprendizagem, cidadania, convivência, responsabilidade e de luta por direitos.

Qual o objetivo deste grêmio?

Um de seus principais objetivos é contribuir para aumentar a participação dos alunos nas atividades de sua escola, organizando campeonatos, palestras, projetos e discussões, fazendo com que eles tenham voz ativa e participem – junto com pais, funcionários, professores, coordenadores e diretores – da programação e da construção das regras dentro da escola.

Em todo lugar sempre tem algo importante a ser melhorado ou construído.

O Grêmio Estudantil é uma das primeiras oportunidades que os jovens têm de participar da sociedade. Com o Grêmio, os alunos têm voz na administração da escola, apresentando suas idéias e opiniões.

Mas toda participação exige responsabilidade! Um Grêmio Estudantil compromissado deve procurar defender os interesses dos alunos, firmando, sempre que possível, uma parceria com todas as pessoas que participam da escola.

É importante trabalhar principalmente com os diretores, coordenadores e professores. Somente assim o Grêmio atuará verdadeiramente em benefício da escola e da comunidade.

Para resumir: um Grêmio Estudantil pode fazer muitas coisas, desde organizar festas nos finais de semana até exigir melhorias na qualidade do ensino. Ele tem o potencial de integrar mais os alunos entre si, com toda a escola e com a comunidade.

Como formar um “Grêmio Estudantil”?

Grêmio passo a passo


Para formar o Grêmio são necessários 5 grandes passos, todos muito importantes. Veja com atenção cada um dos passos.

1º PASSO
• O grupo interessado em formar o Grêmio comunica a direção escolar, divulga a proposta na escola e convida os alunos interessados e os representantes de classe (se houver) para formar a comissão pró-grêmio. Este grupo elabora uma proposta de Estatuto que será discutida e aprovada pela Assembléia Geral.

2º PASSO
• A Comissão Pró-Grêmio convoca todos os alunos da escola para participar da
assembléia geral. Nesta reunião, decidem-se o nome do Grêmio, o período de campanhas das chapas, a data das eleições e aprova-se o estatuto do Grêmio. Nessa reunião também se definem os membros da comissão eleitoral.

3º PASSO
• Os alunos se reúnem e formam as CHAPAS que concorrerão na eleição. Eles devem apresentar suas idéias e propostas para o ano de gestão no Grêmio Estudantil. A Comissão Eleitoral promove debates entre as chapas, abertos a todos os alunos.

4º PASSO
• A Comissão Eleitoral organiza a ELEIÇÃO (o voto é secreto). A contagem é feita pelos representantes de classe, acompanhados de dois representantes de cada chapa e, eventualmente, dos coordenadores pedagógicos da escola. No final da apuração, a Comissão Pró-Grêmio deve fazer uma Ata de eleição para divulgar os resultados.

5º PASSO
• A Comissão Pró-Grêmio envia uma cópia da Ata de Eleição e do Estatuto para a Direção Escolar e organiza a cerimônia de POSSE DA DIRETORIA do Grêmio (quem cuidará do que no Grêmio Estudantil).

A cada ano, reinicia-se o processo eleitoral a partir do 3º passo.

Por quem é composto um Grêmio?

Um Grêmio Estudantil é formado pelos seguintes grupos:

COMISSÃO PRÓ-GRÊMIO

Grupo de alunos interessados na formação do Grêmio. Tem como tarefas: divulgar a idéia do Grêmio na escola, elaborar o Estatuto do Grêmio e convocar a Assembléia Geral.

ASSEMBLÉIA GERAL

Reunião de todos os alunos da escola para discutir e aprovar alguma proposta do Grêmio. É o órgão máximo de decisão do Grêmio Estudantil. Para garantir que a decisão da Assembléia Geral seja representativa, pelo menos 10% dos alunos matriculados na escola deverão estar presentes na reunião, do contrário, convoca-se outra Assembléia Geral.

COMISSÃO ELEITORAL

Grupo formado por dois representantes de cada chapa, representantes de classes e Coordenação Pedagógica da escola. Será responsável por todo o processo eleitoral: fazer as cédulas com os nomes das chapas, providenciar a urna, contar os votos e divulgar os resultados.

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES (APM)

É uma instituição auxiliar da escola, que tem como objetivo contribuir com o processo educacional e a integração família-escola comunidade.

Como a escola não tem autonomia para movimentar recursos financeiros diretamente, é pela APM que recebe e aplica recursos vindos da Secretaria de Educação ou resultante de festas, contribuições etc.

É composta por, no mínimo, 23 pessoas (onze no Conselho Deliberativo, nove na Diretoria Executiva e três no Conselho Fiscal).

CONSELHO DE ESCOLA

O Conselho é o maior órgão de decisão da escola. É composto por 40% de professores, 25% de pais, 25% de alunos, 5% de especialistas e 5% de funcionários, eleitos no início do ano.

MAIORIA SIMPLES DE VOTO

Considerando o total de votos obtidos, vence quem receber o maior número de votos (metade mais um).

QUORUM

Número de pessoas presentes em uma reunião, assembléia ou discussão.
Pode-se estabelecer um quorum mínimo, ou seja, um número mínimo de pessoas necessário para legitimar uma decisão.

Existem três níveis de representação das entidades estudantis: as municipais,
as estaduais e a federal. Elas são autônomas. Por exemplo, no caso de São Paulo:


MUNICIPAL

UMES (União Municipal dos Estudantes Secundaristas)
Representa os estudantes do Ensino Médio. Toda cidade pode ter sua entidade.

ESTADUAL

UPES (União Paulista dos Estudantes Secundaristas)
Representa os estudantes do Ensino Médio do estado de São Paulo. Cada estado pode ter sua entidade.

NACIONAL

UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas)
Representa todos os estudantes do Ensino Médio brasileiro.

CONCLUSÃO

O único modo de atrelar capacidade e ordem no corpo estudantil, e por intermédio da eleição de um grupo de alunos, dentre os que serão mais capacitados. Com a fundação do Grêmio, os alunos da escola D.Helena Guilhon, só têm a ganhar, juntamente a escola que recebera idéias e planos de mente jovens e dispostas a formar uma escola ideal como a retratada no primeiro parágrafo.

Douglas Castilho_1001

8 comentários:

Anselmo Bastos Jr disse...

Voto em vc Douglas Castilho, para ser Presidente do Grêmio Estudantil da Escola Dona Helena Guilhon. Parabéns a Escola por ter um aluno tão bem informado, tão inteligente. O incentivo e motivação transforma pessoas. Como dizia minhas queridas professoras - "Vocês são o futuro do Brasil" - Quem sabe o Douglas não seja nosso futuro, nosso revolucionário ?

LÉA PARAENSE SERRA disse...

Interessante! O passo a passo é ótimo: sabemos que não basta ter a idéia de fundar um Grêmio Estudantil. É necessário muito mais.

Muito bem, Douglas! Gostaria de saber a fonte de consulta. Quero postar no meu blog.

Abraços.

Anônimo disse...

ola sou um aluno da escola jma de tailândia -pará sou um estreante no gremio estudantil 2010 e espero que vcs tenha algumas ideias para a escola e que vc me passa por favor meu msn e orkut:anjinhosedutor70@hotmail.com

Anônimo disse...

muito bom amei ! não conheço a escola nem ninguem pois nem sei aonde fica so sei que esta muito me ajudando pois sou vice-presidente da chapa 1 da minha escola estou muiiito ansiosa para saber o resultado e quero muiiito ver a minha escoola melhor(:

Anônimo disse...

Essas dicas me ajudaram muito pois vou fazer parte de uma chapa para concorrer ao gremio estudantil
obg***

Gelson da silva serafim disse...

Olá bom dia meu nome é Gelson sou do Rio de Janeiro e sou Presidente do GRêmio Chamado Martin Luther King Adorei o que vcs escreverão ai estão de parabéns

Gelson da silva serafim disse...

Vou fazer um pedido vou deixar o email do meu grêmio aqui qualquer idea que vcs tiverem e puder passar me passem por favor vlw

gremiopadua@gmail.com

Anônimo disse...

Ooie gente sou presidente do gremio estudanti meu nome é Wshymila Maaly..amei os comentarios!!!!

Dados da Escola

Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio do Estado do Pará, localizada em Belém, no Cj. Satélite WE 5, s/n, fone: 3248-0743, temos 2200 alunos, divididos em 3 turnos, e em média 80 professores. Email do blog: donahelenaguilhon@gmail.com / Direção: Edson Motta/ Vice-Direção: Manhã- Eliana Ferreira , Tarde/ Noite- Alice Carvalho.